Conheça a modelo trans do ES que faz sucesso ao posar nua para revistas de vários países

A modelo Sâmella Vinter é a segunda mulher transgênero a posar nua para revista

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A modelo trans Sâmella Vinter, que é natural de Colatina, no Noroeste do Espírito Santo, faz sucesso ao ser fotografada nua para revistas de vários países. Com beleza e talento para as câmeras, a beldade já estampou capas das revistas Playboy de Portugal, Chile e México, além da revista Sexy, em 2020.

Atualmente vivendo em São Paulo, a modelo trans já morou em cidades na Itália, Espanha, Reino Unido, Bélgica, Holanda, França e em vários outros países. Atualmente vivendo em São Paulo, a modelo trans já morou em cidades na Itália, Espanha, Reino Unido, Bélgica, Holanda, França e em vários outros países. No ano passado, ela foi fotografada pelas lentes do fotógrafo Glauber Bassi, para estampar a capa da edição especial de inverno da Playboy Portugal.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sâmella Vinter (Reprodução/Instagram)

Em entrevista para o jornal online Folha Vitória, a capixaba falou sobre como conseguiu realizar o sonho de ser modelo e contou também, que para ter a fisionomia e o corpo que chama a atenção das mais diversas revistas, é preciso de um investimento quase milionário. “Minha carreira começou um pouco complicada, pois antes de eu fazer a minha transição de gênero, as pessoas eram muito preconceituosas e não davam muitos trabalhos. Fui para o exterior, passei por muitas humilhações e foram muitas noites de sono perdidas. Mas conquistei muito e ainda tenho mais o que conquistar“, relata em entrevista ao portal.

A modelo, que um de seus trabalhos, esteve em uma posição antes ocupada por Roberta Close, que foi a primeira transgênero a se tornar capa da revista Sexy, fala sobre ter sofrido preconceito. “Apesar de ainda existir uma certa discriminação com o transgênero, apesar da minha beleza ser toda feminina, ainda há um certo preconceito em todo lugar. Já cheguei a pedir empregos ‘normais’ e as pessoas fecharam as portas para mim. Foi aí que me dediquei ao mundo da moda e das passarelas”, conta.“, conta.

Sobre a mudança de sexo, ela conta que fez na Tailândia em 2017, junto com a mudança oficial do nome. “Fiz muita coisa no exterior e, sem calcular o valor de passagens e hotéis, já investi cerca de R$ 800 mil em procedimentos estéticos“, relata a modelo, que é formada em Enfermagem. Durante a entrevista, ela contou que passou por diversas cirurgias plásticas, implantes de silicone e vários procedimentos para deixar as características masculinas.

Durante a entrevista, ela contou que passou por diversas cirurgias plásticas, implantes de silicone e vários procedimentos para deixar as características masculinas. Nos trabalhos como modelo, ela já estrelou capas de revistas de grande sucesso nas revistas Playboy de Portugal, Chile e México. Além de estampar a revista Marie Claire, dos Estados Unidos, em 2017, e foi capa da Revista Sexy, em 2020. “Fui a segunda transgênero a se tornar capa da revista. Antes, era apenas a Roberta Close“.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio