Mercado de trabalho (Ilustração)

Quando falamos sobre a diversidade e grupos minoritários dentro do mercado falamos também sobre disparidade salarial em alguns locais e segmentos. Segundo uma pesquisa elaborada pelo Instituto Insper, o salário de homem branco supera em até 159% o da mulher negra na mesma profissão.

Já a pesquisa da revista HSM Management aponta que 29% das empresas entrevistadas não possuem nenhuma pessoa com deficiência, 44% não possuem nenhum transexual em seu quadro, 37% dos profissionais afirma que já sofreu algum tipo de discriminação na firma em que trabalha e 34% das instituições tem menos de 5% de colaboradores com 50 anos ou mais.

Nesse sentido, para incentivar a diversidade dentro das empresas, a startups a Convenia tem mais de 70 funcionários, a Hisnëk, CONTA com 30 colaboradores e o time inclui mulheres e homens, lésbicas e gays, negros e LGBTQIA+s.


A Sputnik, por exemplo, propõe por meio de cursos um olhar profundo para o tema e, com isso, ajuda a identificar qual abertura a organização tem para fazer uma transformação. Também há o Olist, que registrou mais de 400 membros no time e no requisito da diversidade conta com o Comitê de Diversidade, responsável por construir um ambiente cada vez mais seguro, inclusivo e com respeito às diferenças.