Centro LGBT é fechado em Gana e ativista faz apelo pedindo apoio internacional: “Luta pela igualdade”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A ativista ganense radicada no Reino Unido, Lady Phyll, escreveu uma carta aberta na Vogue britânica, pedindo o apoio internacional para reverter o fechamento do novo centro LGBTQIA+ em Gana. No relato, ela fala sobre ser uma mulher negra, africana e queer, e sobre o quão difícil é ver o trabalho duro que ela e outras pessoas tiveram, para acabar recebendo esse resultado. As autoridades determinaram o fechamento do centro logo após a inauguração, justificando que a homossexualidade é crime.

O recente fechamento do novo centro LGBTQIA + em Gana partiu meu coração. Como uma mulher negra africana e queer, e que trabalhou duro ao lado de outras pessoas para construir espaços para que pessoas como nós se sentissem livres, seguras e vistas, eu sei muito bem como pode ser difícil – árduo mesmo – criar algo tão necessário e receber acidez. Parte meu coração que pessoas como eu vivam sob a ameaça de violência, e que tal violência seja co-assinada pelos líderes eleitos para protegê-los. E isso parte meu coração porque eu sou ganense e os ganeses não são isso“, escreveu ela.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ativista Lady Phyll para a revista Vogue britânica (Foto: Reprodução/Instagram)

Ela ainda fala sobre a violência que pessoas da comunidade recebem diariamente. “Eles sabem bem que Kwame Nkrumah, talvez nosso líder mais famoso e venerado, não toleraria o tipo de retórica que as pessoas LGBTQIA + em Gana enfrentando, com ameaças crescentes à sua segurança e bem-estar. Esta retórica contradiz o apelo de Nkrumah aos ganenses para ajudar a ‘remodelar o destino deste país … E torná-lo uma nação que será respeitada por todas as nações do mundo‘”.

O que está acontecendo com nossos irmãos LGBTQIA + em Gana é inaceitável e é o resultado do fortalecimento de influenciadores anti-gays, que foram influenciados por uma leitura incorreta de textos religiosos e uma homofobia arraigada que começou com o regime colonial do Reino Unido. Não trouxemos a homossexualidade do Ocidente, trouxemos sua violência e sua homofobia. Todos os ganeses têm o direito de viver e amar com liberdade e segurança. Gana apóia a igualdade, e é hora de os líderes e cidadãos de Gana – em casa e no exterior – viverem de acordo com nossa integridade cultural e histórica e apoiar as pessoas LGBTQIA + em sua luta pela igualdade“, completa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio