Brasil fica de fora de carta aberta em defesa aos direitos LGBT da Polônia

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Conforme reportamos, 50 embaixadores, por meio de uma carta aberta, pediram respeito aos direitos LGBT da Polônia, visto que o governo do país se mostra irredutível quando o assunto é diversidade e pautas pró-LGBT.

“Expressamos nosso apoio aos esforços para aumentar a conscientização pública sobre as questões que afetam a comunidade lésbica, gay, bissexual, transgênero e intersexual (LGBTI) e outras comunidades na Polônia que enfrentam desafios semelhantes”, disse a carta assinada pelos diplomatas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Todavia, o Brasil ficou de fora do manifesto, que foi enviado nesta semana ao governo da Polônia. A carta, incentivada a priori pela Bélgica, tem o intento de conceder “apoio aos esforços para aumentar a conscientização pública sobre as questões que afetam a comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersex (LGBT+) e outras comunidades na Polônia que enfrentam desafios semelhantes”.

Esse caso mostra que o Brasil, de fato, adotou uma política externa que dá primazia à ideologia conservadora. Isso é visível na sua aproximação com países cujos governos são mais conservadores e autocráticos, apesar de não terem uma relação histórica nem relevante que justificasse essa prioridade senão o próprio alinhamento ideológico”, afirma o especialista, professor da FGV Thiago Amparo.

Ainda, segundo o entendimento do professor, a recusa do Brasil fere princípios fundamentais preceituados na Constituição Federal. O Artigo 4º, II, por exemplo, prevê que nas relações internacionais deve haver a prevalência dos direitos humanos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio