Boate gay peruana reabre como supermercado liderado por drags

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Famosa boate gay em Lima, capital do Peru, reabriu as portas na última terça-feira (30), depois contabilizar mais de 100 dias sem atividades, mas dessa vez, transformada em um pequeno supermercado administrado por drag queens, as informações são do G1.

“Estamos
abrindo as portas com grande entusiasmo. Para nós, foi um grande desafio, foi
uma jornada difícil, mas conseguimos”, disse Claudia Achuy, gerente da
boate “Valetodo Downtown”, localizada no distrito turístico de
Miraflores, no sul da capital peruana.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A novo mercado chamado “Downtown Market” colocou simplesmente maravilhosas drag queens para administrar o negócio local e no lugar de pista de dança, o espaço abriga prateleiras com comidas, bebidas e verduras, e um DJ que toca as músicas que os clientes pedem enquanto fazem compras.

Outros
funcionários como garçons e gerentes da antiga casa foram aproveitados nas
funções de caixas do supermercado, que mantêm suas tradicionais cores preto e
vermelho e com as recepcionistas, que usam máscaras ao recepcionar os clientes.

O Ministério
da Saúde concedeu ao empreendimento autorização de funcionamento após as
modificações o classificando como serviço essencial. O dono contou que a
iniciativa foi tomada para impedir que seus 120 funcionários ficassem
desempregados, em um país com a economia paralisada por causa do longo período
de confinamento e no qual quase dois milhões perderam o emprego.

Segundo o dono,
Achuy, o supermercado possui sistema de desinfecção automatizado para que
pessoas e alimentos estejam livres do coronavírus. Com 33 milhões de habitantes,
o Peru é o segundo país na América Latina com o maior número de casos da
Covid-19 depois do Brasil, e o terceiro em mortes, atrás do Brasil e México.

No Peru já
existe lei de criminalização da homofobia. De acordo com uma pesquisa recente
da empresa Ipsos, a pedido do Ministério da Justiça, 1,7 milhões de pessoas no
país se identificam como LGBTQIA+.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio