Scott Johnson
Scott Johnson (morto por um australiano há 32 anos) Foto reprodução

Um homem australiano acusado por assassinato de um estudante americano gay finalmente foi preso após 32 anos. O corpo do estudante matemático Scott Johnson, de 27 anos, foi encontrado nu no fundo de um penhasco no subúrbio de Manly, em Sydney, em dezembro de 1988 e foi considerado suicídio pelas autoridades da época.

Em 2018, o irmão de Scott, Steve, disse à BBC que era “inconcebível” que seu irmão tivesse pulado de um penhasco. No entanto, uma investigação de 2017 concluiu que Scott provavelmente foi morto em um crime de ódio gay devido a outros casos semelhantes de assassinatos homofóbicos nas praias de Sydney na década de 1980.

Um ano depois, a família da vítima anunciou uma recompensa de US$ 1 milhão por informações no caso já arquivado, que mais tarde dobrou para US$ 2 milhões quando Steve comparou com o montante em março de 2020.


Isso levou a um avanço no caso e à eventual prisão de Scott Price, 49 anos, que foi preso em sua casa em Sydney na terça-feira, 12 de maio. Ele foi recusado sob fiança e enfrentará um tribunal nesta quarta-feira, 13 de maio.

Mick Fuller, da Força Policial de New South Wales, disse que foi um “destaque na carreira” informar Steve da prisão do suspeito: “Embora tenhamos um longo caminho a percorrer no processo legal, deve-se reconhecer que, se não fosse pela determinação da família Johnson, não estaríamos onde estamos hoje”, disse em comunicado.

Segundo o Gay Times, Steve, que fez campanha para que o caso fosse reaberto por décadas, disse em uma mensagem de vídeo na terça-feira: “Este é um dia muito emocionante. Ele era meu melhor amigo e precisava mesmo que eu fizesse isso”.

Scott Johnson e o irmão Steve

Descoberta de novos crimes

A descoberta do caso levou ao aterrorizante dado de que até 80 homens gays foram assassinados por gangues homofóbicas na década de 1980. Steve disse que espera que a prisão “abra a porta” para que outras famílias recebam justiça: “Espero que a família e os amigos das outras dezenas de gays que perderam a vida encontrem consolo no que aconteceu hoje”.