Karamo Brown (Paul Archuleta/Getty)
Karamo Brown (Paul Archuleta/Getty)

O astro negro de Queer Eye, Karamo Brown, pediu aos gays brancos que denunciem racismo na comunidade LGBT+ e tomem consciência de seus próprios privilégios. Karamo, especialista em cultura do seriado de sucesso da Netflix, disse à Reuters que “há muito racismo na comunidade LGBT +”.

“As coisas que vi lá fora (na sociedade) só vi perpetuadas na comunidade LGBT”, disse ele. “Sim, você pode ter tido uma luta porque é gay, mas ainda existe privilégio branco”, acrescentou.

Brown criticou os gays brancos que queriam que o Grindr mantivesse seu filtro de raça. Ele apontou a reação de vários gays brancos nas redes recentemente, quando Grindr descartou seu filtro de etnia muito difamado como um exemplo do racismo tóxico que existe entre as pessoas LGBT+ brancas.


“Homens gays brancos eram como ‘isso está errado, eu deveria ter o direito de não querer ver negros ou asiáticos no aplicativo”, disse ele. “Se você inerentemente não entende por que isso está errado, como pessoa gay, você precisa se controlar”, acrescentou.

O astro do Queer Eye também falou sobre o significado do Mês do Orgulho, que acontece no mês de junho de cada ano: “Os protestos sempre fazem parte do Pride”, disse ele. “Eles são ofuscados por meninos e meninas com arco-íris pintados no rosto”.

Os comentários de Karamo ocorrem em meio a protestos nos Estados Unidos e no mundo em resposta ao assassinato brutal do homem negro George Floyd pelo policial branco Derek Chauvin.

A quinta temporada de Queer Eye chega à Netflix na sexta-feira (5 de junho). O especialista em moda, Tan France, acompanham Karamo o especialista em moda Jonathan Van Ness, o designer de interiores Bobby Berk e o especialista em comida e vinho Antoni Porowski.