Após decisão do Vaticano, católicos LGBT questionam falas do Papa Francisco sobre não julgar união gay

Fiéis da Igreja Católica relembraram declarações onde o Papa não julgava casamento gay

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois do Vaticano emitir um comunicado dizendo que a Igreja Católica não abençoa a união do casamento gay, católicos LGBT questionaram falas do passado do Papa Francisco, onde declara “Quem sou eu para julgar?”. No entanto, após os últimos acontecimentos, personalidades como Elton John e Lewis Hamilton criticaram a decisão do Vaticano. Além dos fiéis, pessoas tiveram padres e educadores.

Ao ser escolhido para liderar a Igreja Católica em 2013, o Papa Francisco se declarou inapto a rejeitar os homossexuais que buscassem o conforto divino. A fala fez com que os católicos LGBT se sentissem acolhidos no seio da instituição. Mas, oito anos depois, o mesmo deu sinal verde para o Vaticano divulgar a diretriz para que clérigos não dêem sua bênção a uniões entre pessoas do mesmo sexo. Afinal, “Deus não pode abençoar o pecado”, diz o documento da Congregação para a Doutrina da Fé, órgão responsável por formular normas para os fiéis da maior vertente cristã do mundo. Isso só fez com que muitos se sentissem decepcionados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) é exemplo de cautela entre críticas e posicionamentos em relação ao assunto. Mas, ainda assim há reações no mundo sobre a declaração, que mostra um aceno aos LGBT. Uma delas partiu do arcebispo de Chicago. Blase Cupich reconheceu que a “reação compreensível de muitos será de decepção” e pede que a contrapartida seja “redobrar nossos esforços para sermos criativos e resilientes para acolher todas as pessoas LGBT em nossa família de fé”.

Além de padres, como o padre James Martin, que foi nomeado em 2017 por Francisco como consultor da Santa Sé. Jesuíta como o papa, ele disse que “a jornada é longa, e Cristo está conosco -pessoas LGBT, famílias, amigos e aliados- e nunca nos deixará”. “Somos uma igreja peregrina, aprendendo, mudando e crescendo, mesmo em meio ao que pode parecer para muitas pessoas decepções e até mesmo tristezas”, disse James, que sacou o salmo 34 para consolar os desapontados: “Perto está o Senhor dos quebrantados“, disse.

Reverendo gay e professor de teologia da Universidade Fordham, fundada pela Diocese Católica Romana de Nova York, Bryan Massingale afirmou que os padres dispostos a se engajar em ações pastorais para a diversidade “continuarão a fazê-lo, exceto que será ainda mais por baixo dos panos do que era antes”.

Um coletivo de padres dissidentes na Áustria, que desafia a Igreja em tabus como o celibato clerical afirmou que não seguirá a determinação do Vaticano.

A fala que está chamando atenção é citada no documentário “Francesco” , de 2020, onde ele diz que homossexuais “são filhos de Deus e têm direito a uma família”. Mas vale lembrar que, quando era arcebispo de Buenos Aires, disse que a ideia do matrimônio homoafetivo colocava “em jogo a identidade e a sobrevivência da família: pai, mãe e filhos”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio