Após batalha judicial, menina trans consegue participar de Campeonato de Patinação Artística

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A uma longa batalha judicial travada por uma família, para que uma menina trans pudesse participar do Campeonato Sul-Americano de Patinação Artística, que aconteceu em Joinville (SC), terminou com final feliz. Maria Joaquina conseguiu se apresentar na disputa depois que os organizadores do torneio rejeitaram a sua inscrição.

O motivo para que barrassem ela seria o fato de que na sua certidão de nascimento, assim como no RG, ainda constam o nome masculino. Os familiares acusam a confederação Sul-Americana de vetar que ela fizesse o reconhecimento da pista de patinação, O direito é concedido a todas as outras competidoras, e que teriam prejudicado Maria Joaquina, que não estava inscrita.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os pais da garota, no entanto, conseguiram, na segunda (22), um requerimento solicitando a autorização que a menina treinasse na pista por 10 minutos, o que foi negado pela confederação. As informações são do UOL.

A ordem de apresentação também foi alterada, levando ela a ser a primeira a competir. Por ser, vice-campeã brasileira da modalidade, é comum que as melhores posicionadas sejam as últimas. Diante toda a situação, Maria Joaquina competiu chorando, nervosa, e caiu quatro vezes durante a apresentação. A performance fez com que ela terminasse o campeonato na 13ª de 17 colocações.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio