“Apanhava na escola só porque era gay”, diz humorista do Pânico Evandro Santo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A infância de Evandro Santo, o famoso Christian Pior, foi marcada pela violência, pobreza e, principalmente, pelo preconceito. Ele conta que foi expulso de três escolas pelo mesmo motivo: “Eu era afeminado demais.”

Em Uberaba, onde foi morar ainda na infância, era considerado um ET pela vizinhança. Pais de outras crianças não queriam que seus filhos convivessem com o “ET bicha”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Nunca tive problemas em me assumir como gay, nunca tive dúvida ou sofri intimamente com isso”, afirma. Pelo contrário. “Quem devia sofrer eram os outros”, gargalha.

“Eu era o gay da rua, filho de mãe solteira e minha mãe não deixava barato! Se arrumava, se maquiava, bem anos 80, coloca minissaia e ia para o trabalho.”

Além disso tinha o conhecido bullying dos demais alunos.

“Naquela época, os meninos te esperavam na saída da escola para te bater! Quantas vezes a professora me salvou! Muitas vezes eu até batia porque era um contra um; mas às vezes eram vários, e aí eu corria como podia.”

Sobre esse período triste, Evandro hoje consegue rir.

“O engraçado é que muitos destes agressores eu acabei ‘pegando’ nas noites de Uberaba. Hehehe. Vai entender a sexualidade humana”, diz o humorista de 42 anos.

Evandro diz que também teve um período do que chama de “erro” com drogas e diz que só saiu desse momento graças à ajuda de amigos e de muita compreensão de Tutinha e dos demais colegas do “Pânico”.

“Drogas não funcionam no processo de criar e nem no de atuar. Elas são recreativas só até certo ponto. Depois, sua cabeça e seu corpo não aguentam. É preciso parar.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio