Parlamento alemão proíbe “cura gay” para menores

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Parlamento
alemão aprova lei que prevê até um ano de prisão para quem submeter menores de
18 anos a “terapias de conversão sexual”. A lei também poderá ser
aplicada na proibição para adultos exceto se feitas de forma voluntária.

A sessão em
que o parlamento votou e aprovou a nova lei ocorreu nesta quinta-feira (07/05)
vetando as chamadas “terapias de conversão sexual” para homossexuais
menores de 18 anos e para adultos que não consentiram voluntariamente com esse
procedimento.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Segundo o DW Notícias, fica também vetada a publicidade ou oferta desse tipo de intervenção no país comandado por Angela Merkel. A medida deverá entrar em vigor a partir do segundo semestre deste ano.

“A
homossexualidade não é uma doença, portanto a palavra ‘terapia’ já é equivocada”,
disse o ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, que é abertamente gay e
casado com um homem.

Multa e exceções

A nova lei
determina uma multa de até 30 mil euros (R$ 180 mil) para quem fizer
publicidade ou oferta desse tipo de procedimento. Já quem submeter menores de
18 anos a “terapias de conversão sexual” poderá enfrentar até um ano
de prisão.

Para maiores
de 18 anos ainda restam algumas exceções. A lei só permite a aplicação da
“terapia de conversão” em adultos que a procurem livremente, sem
terem sido coagidos, ameaçados ou alvos de promessas enganosas.

A lei prevê punições para qualquer pessoa, não apenas para os “terapeutas” que aplicarem o procedimento, mas, na emenda, o governo alemão chegou a considerar permitir exceções para adolescentes entre 16 e 18 anos que desejassem se submeter, desde que entendessem as implicações e riscos.

Na votação, parlamentares conservadores, social-democratas e liberais votaram a favor da proibição, enquanto deputados da legenda populista de direita AfD (Alternativa para a Alemanha) se abstiveram com um voto contra. Todos os oradores de todas as bancadas parlamentares disseram concordar que a homossexualidade não é uma doença.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio