O maquiador Augustín Fernandez
O maquiador Augustín Fernandez (Foto: Divulgação)

Por meio de uma entrevista concedida a Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), divulgada no YouTube, Agustin Fernandez tece críticas fervorosas ao movimento LGBT e destaca que não vive em função de sua orientação sexual. Sendo assim, segundo o maquiador, o seu sucesso é consequência de seu árduo trabalho.

“A esquerda não tem um LGBT que seja admirado pela inteligência. Eles não têm alguém como eu. Tem o Jean Wyllys, que cospe nos outros, tem um pessoal esquisito, que não sabe se comunicar. Isso gerou muita frustração, viram que eu poderia ser militante, mas estava do outro lado”, diz o empresário, explicitando total desconhecimento no campo cultural e político e mostrando, inclusive, uma certa carência por autoafirmação, ao se etiquetar inteligente.

No transcorrer da entrevista, ele novamente destaca suas conquistas. “Eu sou hoje o maior maquiador do Brasil e recebi, recentemente em Las Vegas, um reconhecimento como o mais influente da América Latina. E sou uma pessoa construída por vários aspectos, não só por orientação sexual, como esse pessoal pensa e age”, começa.


“Isso não preenche ninguém, viver em função de sexualidade. Não entendo mais, na minha época era viado, sapatão e bi. E na verdade, o bissexual era o viado que não queria assumir de vez”, finaliza Agustin Fernandez.

Em tempo – A entrevista vai ao ar neste sábado (29) às 18h, no canal de Eduardo Bolsonaro.