Filho transexual de Witzel faz trabalho voluntário conta Covid-19 para LGBTs

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Erick Witzel, filho transexual do governador do Rio Wilson Witzel, está envolvido em ações voluntárias contra a pandemia de Covid-19 para a população LGBT em situação de rua ou desassistida

Erick é assessor
de empregabilidade da Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual (Ceds),
órgão do município do Rio de Janeiro e acionou sua equipe para estabelecer
medidas emergenciais para a população LGBT na cidade.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Entre a população LGBT, tem muitas pessoas em empregos informais, que ficam em situação de extrema necessidade em uma crise. Muitos são profissionais do sexo. Para essa população, que já é muito suscetível em situações normais, agora tudo se agrava”, explica ele ao site Universa.

Erick Witzel (no centro): doação de cestas básicas para moradores da ocupação Casa Nem
Imagem: Arquivo Pessoal

Erick, que
já ficou sem falar com o pai que expôs sua orientação de gênero sem a
autorização do filho, hoje voltou a conviver com Wilson Witzel e diz que o pai
vem fazendo “um ótimo trabalho” frente à pandemia provocada pelo novo
coronavírus.

“Eu
tenho visto que o governo do estado [do Rio de Janeiro] tem tomado todas as
atitudes com base em orientações técnicas. Acho que ele [o pai] está fazendo um
ótimo trabalho”, afirma.

“Vejo
ele fazendo o máximo que pode. As medidas cabíveis ao estado estão sendo
tomadas para conter o coronavírus. Seria melhor se houvesse um alinhamento ao
governo federal, mas o que cabe ao governo do Rio está sendo feito. Já ao
federal, é com eles lá”, diz ele.

Relação com o pai

Aos 26 anos,
Erick prefere não falar sobre as divergências políticas que tem com o pai, mas
garante que há diálogo e que o trabalho não é afetado por isso.

“Nesse momento, as coisas estão bem escancaradas”, acredita. “Eu mostro minhas posições. Pensamentos opostos sempre existirão: ele tem os posicionamentos dele, eu tenho os meus. Existem coisas com as quais concordo e outras das quais discordo politicamente”, pondera.

“Mas
sei que eu posso agregar coisas boas ao trabalho dele e ele ao meu, tendo como
denominador comum pensar o bem da população. Então tem que haver diálogo. A
gente conversa sobre todos os assuntos, mas acho importante manter a leveza.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio