Grindr (Imagem: Divulgação)
Grindr (Imagem: Divulgação)

A empresa chinesa Beijing Kunlun Tech anunciou nesta sexta-feira a venda do Grindr, popular aplicativo de encontros gay, por cerca de 608,5 milhões de dólares.

Segundo a Revista Exame, a transação ocorreu após um painel do governo dos EUA estabelecer junho de 2020 como prazo para venda do aplicativo. O painel, denominado Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS), não divulgou suas preocupações sobre a propriedade da Grindr pela Kunlun.

No entanto, os Estados Unidos têm monitorado cada vez mais os desenvolvedores de aplicativos sobre a segurança dos dados pessoais que eles manipulam, especialmente se alguns deles envolvem militares ou pessoal de inteligência dos EUA.


Após acordo, a Kunlun informou que concordou em vender sua participação de 98,59% no Grindr para a San Vicente Acquisition alimentando preocupações entre defensores da privacidade nos EUA.

Para entender o caso, em 2018, o aplicativo foi acusado de vazar dados de milhões de usuários sobre seu status de HIV para empresas privadas. A Reuters informou no ano passado que a Kunlun havia dado a alguns engenheiros de Pequim acesso a informações pessoais de milhões de norte-americanos.