Jair Bolsonaro (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Jair Bolsonaro (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O desembargador Benedicto Abicair, que determinou nesta quarta-feira (8) a retirada do ar o Especial de Natal do Porta dos Fundos, já defendeu Jair Bolsonaro em um caso homofobia. As informações são do site Uol.

O caso ocorreu em 2017, quando o até então deputado federal respondia por um comentário homofóbico proferido no extinto programa CQC, da Band. Na época, Benedicto pediu pela absolvição de Bolsonaro.

Durante o programa em questão, Bolsonaro foi questionado sobre a possibilidade de ter um filho gay e ele respondeu: “Isso nem passa pela minha cabeça, porque eles tiveram uma boa educação. Sou um pai presente, então não corro esse risco”.


Ao receber a queixa sobre o episódio de homofobia, o juiz minimizou o fato preconceituoso e argumentou que Bolsonaro não deveria ser condenado por conta da liberdade de expressão.

“Não vejo como, em uma democracia, censurar o direito de manifestação de quem quer que seja. Gostar ou não gostar. Querer ou não querer, aceitar ou não aceitar. Tudo é direito de cada cidadão, desde que não infrinja dispositivo constitucional ou legal”, escreveu o desembargador na época.