Bahia Esporte Clube Foto:divulgação

Após a polêmica envolvendo o diretor do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, o homem que fazia comentários homofóbicos, foi alvo de discussão no programa Esporte espetacular. O time da Bahia se destacou pelo avanço do combate a homofobia.

O jogador colombiano cujo camisa era de número 24, Cantilho, sempre usou esse número em seu país, mas aqui no Brasil o número tem sido proibido, por vincularem a homossexualidade. O clube se destacou durante a matéria na TV Globo, por ser uns poucos que fazem um trabalho de combate ao preconceito.

De acordo com o futebol Bahiano, foi criado ações afirmativas para prevenir esse tipo de comportamento dentro do clube e também, como iniciativa, começaram uma torcida organizada LGBTQI+, chamada LBGTricolor.


Vale lembrar que recentemente em Belo Horizonte, o time LiGay disputou uma competição de futebol LGBT.A logomarca da Ligay BH representa a união entre os atletas e as equipes, que ninguém solta a mão de ninguém, e tem como inspiração a diversidade, formando o triângulo, símbolo da bandeira de Minas Gerais”, disse o organizador da torcida, Léo Machado.