Bandeira LGBTQ+Foto/Reprodução.
Bandeira LGBTQ+ (Foto/Reprodução)

Adolfo Martinez, de 30 anos, foi condenado a 15 anos de prisão após roubar e queimar, nos Estados Unidos, uma bandeira com o símbolo LGBT. A bandeira ficava à frente de uma igreja progressista.

O rapaz admitiu o crime e disse que o cometeu por não “tolerar a homossexualidade”. “Foi uma honra fazer isso. É uma bênção do Senhor”, disse ele à imprensa local.

Queimei o orgulho deles, pura e simplesmente”, completou o rapaz, que demonstrou notória alegria. Além do mais, Eileen Gebbie, Pastora da igreja, entendeu que o ódio arraigado na sociedade foi o grande propulsor para o ato agressivo.


“Muitas vezes testemunhei Ames não sendo tão progressista quanto muitas pessoas pensam que é, e há uma comunidade gay muito grande que ainda não saiu do armário aqui”, declarou. “Mas 12 pessoas (do júri) que eu não conheço, que não têm interesse em mim ou nesta congregação, disseram que esse homem cometeu um crime, e foi um crime causado por intolerância e ódio“, finalizou ela, conforme a Época.