Lulu Santos e Clebson (Reprodução/Instagram)
Lulu Santos e Clebson (Reprodução/Instagram)

Como já é notório, o inciso IV do artigo 64 da Portaria 2.712, do Ministério da Saúde, dispõe que o candidato é inapto à doação se, nos últimos 12 meses, manteve relação sexual com outros homens. Nesse sentido, o marido de Lulu Santos, Clebson Teixeira, resolveu desabafar a respeito.

“Essa semana descobri que para fazer uma boa ação preciso ficar no mínimo 12 meses sem sexo”, começou ele. “No início da semana a filha recém-nascida de uma grande amiga precisou de uma transfusão de sangue (ela nasceu prematura). No grupo do trabalho ela perguntou quem poderia ajudá-la…”, continuou.

“Logo me dispus a ser um dos doadores, porém relatei que possivelmente eu não estaria apto a realizar a doação, já que há algum tempo havia escutado uma história de que o “sistema” possui restrições a doações de homo afetivos”, disse ele, que também já desabafou sobre homofobia.


“A justificativa é que assim como os usuários de drogas injetáveis, também fazemos parte de um grupo chamado “grupo de risco”, em que homossexuais do sexo “masculino” estão sujeitos a uma maior exposição ao vírus HIV”, disse ele, que se casou com Lulu em abril.

View this post on Instagram

Essa semana descobri que para fazer uma boa ação preciso ficar no mínimo 12 meses sem sexo. 😬 No início da semana a filha recém-nascida de uma grande amiga precisou de uma transfusão de sangue (ela nasceu prematura). No grupo do trabalho ela perguntou quem poderia ajudá-la… Logo me dispus a ser um dos doadores, porém relatei que possivelmente eu não estaria apto a realizar a doação, já que há algum tempo havia escutado uma história de que o “sistema” possui restrições a doações de homo afetivos. Neste momento causei o maior espanto nas pessoas, pois nenhuma delas sabia desse impedimento, e me perguntaram qual seria o motivo de tal restrição. Após isso fui me inteirar sobre o assunto, fiz algumas pesquisas, li um pouco, perguntei a alguns amigos da área de saúde e finalmente obtive a resposta. O que acontece é que, segundo portaria nº 158, de 4 de fevereiro de 2016, homens que tiveram relações sexuais com outros homens e/ou as parceiras sexuais destes em um período de até um ano antes da doação são considerados inaptos a fazer a doação. A justificativa é que assim como os usuários de drogas injetáveis, também fazemos parte de um grupo chamado “grupo de risco”, em que homossexuais do sexo “masculino” estão sujeitos a uma maior exposição ao vírus HIV, e que como existe um intervalo entre algumas infecções e sua possível detecção em exames, pode ser que os testes não consigam identificar o vírus… é como se os heterossexuais estivessem isentos a essa possibilidade. Desta forma, gostaria de pedir a todos os amigos heterossexuais que estão lendo essa mensagem até o final, para irem até um hemocentro ajudar quem esteja precisando. Muito obrigado!

A post shared by Clebson Teixeira dos Santos (@clebson.teixeira) on