Igreja Cristã Contemporânea
Membros da Igreja Cristã Contemporânea (Foto: Gabriel Xavier)

“A fé deve ser o norte na vida das pessoas. Não se deve estar nas igrejas para julgar, este papel é só de Deus”. É assim que define suas crenças, o administrador gay Fagner Moreira, de 24 anos, católico praticante.

Por muitos anos a sexualidade sempre foi tratada nas religiões cristãs de forma conservadora. Isso porque, de acordo com as regras passada pela bíblia, “deitar-se na mesma cama que uma pessoa do mesmo sexo é considerado pecado”.

Indo contra a esta norma imposta pela Igreja, um grupo de evangélicos tem revolucionado a comunidade cristã de todo o Brasil ao pregar à inclusão e o amor livre. Trata-se da Igreja Cristã Contemporânea.


Com sede em cerca de cinco estados brasileiros, há 13 anos a congregação tem feito um trabalho exclusivo junto à população LGBTQIA+, tratando o evangelho de forma liberal e sem preconceitos, aceitando todos que estejam abertos à conhecerem a palavra de Deus.

A mais nova sede da Igreja Cristã Contemporânea no Brasil foi instalada na cidade de Salvador, na Bahia. Novidade na região, a igreja se tornou novidade e tem atraído olhares diversos, não só de evangélicos, como também da comunidade local.

Desde 2015 trabalhando em Salvador junto a igreja, Sidnei Bastos é um dos coordenadores do grupo religioso revolucionário. Em entrevista ao Observatório G, ele deu detalhes sobre a instituição religiosa.

“Nos hoje temos uma congregação com 90% de público LGBT+. Mas também temos uma porcentagem, mesmo que pequena, de pessoas heterossexuais e todos se dão bem. São pessoas casadas e solteiras, que encontraram a possibilidade de adorar ao senhor como são”, disse ele.

Parada LGBT
Parada LGBT Brasília DF (Foto: Célio Roberto)

Aberta oficialmente em maio deste ano, Sidnei Bastos afirma que a Igreja é vista como surpresa e curiosidade, por moradores e passantes. Além disso, muitos acabam não acreditando na possibilidade de existir um lugar que fale de cristo, sem ser carregado de preconceitos.

“As pessoas têm chegado à igreja com a sensação de surpresa e curiosidade. Como se trata de uma igreja inclusiva, as pessoas vão com o conceito de: ‘deixa eu ver o que é feito lá’; ‘será que é inclusiva de verdade ou é disfarçada de inclusiva”, explica.

Mesmo sendo católico praticante e devoto de Nossa Senhora de Fátima, Fagner Moreira afirmou à reportagem que a existência de igrejas que sejam mais inclusivas como a Cristã Contemporânea, dão oportunidade de pessoas LGBTs de acreditarem na possibilidade de professar sua fé.

“Deus é um ser que acolhe a todos e as igrejas inclusivas fazem com que os LGBTs se sitam acolhidos espiritualmente pelo cristianismo. Amar não é pecado”, declarou ele, que ainda disse passar por pequenos momentos de preconceito em sua paróquia, sendo excluído de evento internos.

Parada LGBT de Salvador

Neste ano a Igreja Cristã Contemporânea esteve presente presente na 18ª Parada LGBT Da Bahia, que aconteceu no Dique do Tororó em Salvador. Distribuindo panfletos e com cartazes que representavam o amor pregado pela igreja, os membros se mostraram presentes e reafirmaram sua posição dentro da comunidade.

Parada-LGBT-Salvador
A 18ª Parada LGBT de Salvador coloriu o Dique do Tororó (Foto: Gabriel Xavier)

“A população LGBT ainda não tem o conhecimento da existência da nossa igreja. Então fomos especialmente para a parada para dizer que estamos aqui e que eles serão acolhidos. Para dizer que a igreja acolhe eles de forma tranquila, aberta e sem nenhum tipo de preconceito”, disse Sidnei.

Sendo a primeira parada de Salvador após a eleição Jair Bolsonaro (PSL), que foi eleito com base em posicionamentos preconceituosos à comunidade LGBT+, Sidnei reafirma a posição de resistência da comunidade.

“Mesmo que o governo diga que não, nos temos o pensamento de que, se é amor, precisa ser pregado. Independentemente se haja resistência ou não. Se há cristo, ele precisa se pregado”, apontou.