Parada LGBT (Foto: reprodução)

A parada LGBT da Bahia, que ocorrerá neste domingo (22), dá indícios de que a manifestação, além de alegre, trará um brado político entoado. Desse modo, Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia e professor de antropologia da UFBA (Universidade Federal da Bahia) ressalta que o evento aproveitará o espaço para fazer denúncias pertinentes.

“Queremos chamar a atenção para o que acontece no ano inteiro. Infelizmente, gays são espancados e vítimas de bullying, travestis apanham e são assassinadas. É essa cultura de intolerância que denunciamos”, diz Mott.

Assim, ele enfatiza a importância do desfile. “A parada é uma manifestação política apartidária em defesa da inadiável cidadania plena do segmento LGBT. É um grito de denúncia contra a homotransfobia ainda tão presente em nossa capital e em nosso estado”, afirma.


Vale ressaltar também que toda Parada, além de muita cor e animação, tem um tom político proeminente. A luta por direitos deve ser sempre trazida à luz. Nesse sentido, este ano, o acontecimento de Stonewall, grande motriz na luta, foi relembrado na Parada de SP.