Em meio a tantas discussões sobre diversidade sexual e identidade de gênero, não é mais aceitável que em pleno 2019 as pessoas ainda tentem se referir à comunidade LGBT+, usando o termo GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes).

Hoje em dia o termo é visto como excludente e não representa mais as diversas orientações sexuais e identidades de gênero, presentes dentro do movimento. Além disso, de uma certa forma, dá um protagonismo para os gays, que são apenas uma parte da comunidade.

Ao longo dos anos a sigla foi evoluindo como forma de inclusão e acrescentando a ela novas nomenclaturas, para assim fortalecer a história de luta de toda uma comunidade contra as violências e descriminações.


No entanto, ainda é comum que muitas pessoas se confundam em meio a uma avalanche de informações sobre a diversidade composta no universo colorido. Vale ressaltar que com a chegada do ano 2000, surgiu uma nova geração onde cada vez mais a fluidez dos gênero e da sexualidade ficam mais comuns.

Pensando em tirar as dúvidas, diminuir o preconceito e evitar qualquer tipo de intolerância, o Observatório G separou uma lista com as principais nomenclaturas que fazem parte da comunidade LGBTQIAP+.

Antes disso, vale lembrar que a sigla LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgêneros), vem sendo utilizada desde 1990, no entanto, apenas nos últimos 20 anos tem sido ativamente utilizada mundialmente.

Atualmente o termo mais usado para se referir à comunidade é LGBTQ+, que foi registrado em 1996. Mas com após discussões, foi incluído o símbolo + no final de cada sigla, afim de representar qualquer outra pessoa que não esteja presente nas iniciais.

Confira!

Lésbica: Mulheres que se atraem sexualmente ou sentimentalmente por outras mulheres.

Gay: Homens que se atraem sexualmente ou sentimentalmente por outros homens. O termo também pode ser utilizado para mulheres homossexuais.

Bissexual: Pessoas que sentem atração (afetiva ou sexual) por ambos os sexos.

Transsexual ou Travesti: São pessoas que se identificam com um sexo diferente do seu nascimento. Por exemplo: uma pessoa que nasceu com o sexo biológico masculino, mas se identifica como mulher, é uma mulher transgênero.

Queer ou não-binário: Pessoas se identificam com um gênero próprio seu, independentemente da sua genitália. Ou seja, a pessoa não se define nem como homem ou nem como mulher, mas transita entre eles.

Intersex: Indivíduos com diferenças congênitas nas características sexuais físicas – o que antigamente era chamado de “hermafrodita”.

Assexual: É a falta de atração sexual, ou falta de interesse em atividades sexuais — pode ser considerado a “falta” de orientação sexual.

Pansexual: É a atração sexual ou romântica por qualquer sexo ou identidade de gênero.