Núbia Ólliver tem investido bastante em publicações reflexivas sobre a sociedade e a vida humana. Nesta quarta-feira (26), por exemplo, a morena escolheu falar sobre o prazer anal masculino.

Através do Instagram, Núbia deu aula sobre o prazer que os homens sentem na região anal. E comentou sobre o fato do machismo influenciar na construção do que é certo ou errado na hora do sexo.

Tabu relacionado ao machismo, o prazer anal masculino é uma questão construída socialmente, como o fato de homem não gemer no sexo, cercada de muito preconceito. Homens revelam que falam pouco ou quase nada sobre isso com homens, nas rodas de conversa”, iniciou ela, que já falou sobre masturbação feminina.


“Não deixar sequer tocar no bumbum ou ter aflição de estímulos no períneo (aquela partezinha que fica entre o sacro escrotal e o ânus), ou no ânus propriamente, têm a ver, entre outros fatores, com o desconhecimento do poder que essa zona erógena do corpo feminino e do masculino tem durante uma transa”, completou.

“Há muito tabu para pouco prazer. Assim, práticas sexuais como beijo grego (carícias com a língua no ânus), pegging (penetração anal feita pela mulher com brinquedos eróticos) e uso de cinta peniana (strap-on) ficam de fora da #cama – o que pode limitar a forma de explorar o corpo e de ter sexo de qualidade entre casais heterossexuais“, destacou ela em outro trecho do texto.

View this post on Instagram

#Tabu relacionado ao machismo, o #prazer #anal masculino é uma questão construída socialmente — como o fato de homem não #gemer no #sexo — cercada de muito preconceito. Homens revelam que falam pouco ou quase nada sobre isso com homens, nas rodas de conversa….Não deixar sequer tocar no #bumbum ou ter aflição de estímulos no períneo (aquela partezinha que fica entre o sacro escrotal e o ânus), ou no ânus propriamente, têm a ver, entre outros fatores, com o desconhecimento do poder que essa zona erógena do corpo feminino e do masculino tem durante uma transa. Há muito tabu para pouco prazer. Assim, práticas sexuais como #beijo grego (carícias com a língua no ânus), pegging (penetração anal feita pela mulher com brinquedos eróticos) e uso de cinta peniana (strap-on) ficam de fora da #cama — o que pode limitar a forma de explorar o corpo e de ter sexo de qualidade entre casais heterossexuais. A psicóloga e terapeuta sexual Paula Napolitano explica que há muitos motivos para que a penetração, o #toque e até mesmo a apalpada no #bumbum sejam "movimentos proibidos" para o homem (inclusive em relações homossexuais que acabam caindo em padrões de heteronormatividade). "É uma questão comum no meu consultório. Nossa sociedade é bastante machista e o prazer anal é relacionado erroneamente à homossexualidade. Além disso, pornôs heterossexuais reforçam só a #penetração vaginal [como acesso para o prazer masculino] e pronto", comenta. A especialista avalia, ainda, que o homem não se permite sentir prazer anal por medo de perder o controle. "Por ele nunca ter feito, se pergunta o que vai acontecer, como vai reagir caso tenha um prazer enorme. Para não se ver nessa situação de exploração, acaba se reprimindo". No sexo, não tem nunca regra única, é observar e sentir o que a pessoa está gostando ou não.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ #texto:#uol

A post shared by NUBIA OLIIVER 🅰️+ (@nubiaoliiver) on