O apoio do youtuber Felipe Neto à comunidade LGBT, após o caso de censura ocorrido durante a Bienal do Livro do Rio no último final de semana, não tem agradado algumas pessoas. É o caso da deputada federal bolsonarista, Carla Zabelli (PSL).

Em uma publicação feita na noite desta segunda-feira (9), a deputada chegou a chamar o youtuber de “Lixo”, além de associar a censura LGBT da feira de livros, com a notícia do crescimento de casos de HIV no Brasil.

“Pesquisa de 2018 do Ministério da Saúde mostra que os casos de HIV entre jovens gays de 15 a 19 anos TRIPLICARAM entre 2006 e 2015 (na era PT). E ainda tem gente que acha que esfregar homossexualidade na cara de crianças vai ajudar os gays em alguma coisa. #FelipeNetoLixo”, tuitou a parlamentar.


Na manhã desta terça-feira (10), Felipe rebateu o comentário preconceituoso e pediu ajuda do Ministério Público para agir sobre Zabelli, já que ele acredita que ela cometeu crime de LGBTfobia, que desde junho é considerado crime no Brasil.

“Deputada do PSL e amiga do Presidente, Carla Zambelli acaba de cometer crime de homofobia no grau mais nojento possível. Ela vinculou aumento de HIV com homossexuais e crianças saberem q gays existem. O Ministério Público terá de agir. Isso não pode ficar impune. Que podridão”, escreveu o influenciador digital.

Recentemente Carla se tornou destaque na mídia brasileira, após estar sendo acusada de nepotismo cruzado e de favorecer o ingresso de seu filho na escola militar, sem ao menos ele prestar concurso para a instituição.