Sexualidade nunca foi algo fácil de lidar na sociedade, principalmente quando a pessoa é um artista internacionalmente famoso. Foi o caso do cantor Freddy Mercury. Famoso por seu estilo excêntrico e de personalidade forte, o artista passou por momentos difíceis no Rock in Rio.

Em entrevista ao jornalista Leo Dias, o polêmico repórter Amin Khader, que já trabalhou como produtor do Rock in Rio, revelou os detalhes dos bastidores do show da banda Queen no clássico festival.

Segundo Amin, Freddie fez diversas exigências e chegou ao local como uma grande estrela, além disso, o artista britânico chegou a dar um grande ataque de estrelismo e ele até ficou com medo de perder o emprego.


“Me lembro dele chegando de helicóptero. Ele perguntou quem estava nos corredores dos camarins, porque queria aquele espaço todo livre. Pediu cinco minutos para deixar todo o corredor livre. Fiquei maluco”, disse.

Ainda conforme Amin, o líder do Queen, que teve sua história contada nos cinemas, passou por um momento de homofobia por parte de artistas brasileiros. “Neste dia eu tinha Erasmo Carlos, Elba Ramalho, Alceu Valença, Ney Matogrosso e o Queen. Cheguei no corredor e fui pedindo para ninguém ficar lá. Um pedido inusitado dele, né? Todos entraram nos camarins e exigiram uma garrafa de whisky. Sem permissão da família Medina eu falei que dava, só para eles entrarem”.

“Aí passou o Freddie Mercury com aquela pose de superstar. Quando ele passou os artistas brasileiros e banda começaram a gritar: “bicha, bicha, bicha!”. O Freddie perguntou o que estavam falando dele e eu disse que era um elogio”, disse ele, sem contar quem estava presente neste momento.

“Não adiantou, ele sacou que era algo errado, entrou no camarim e quebrou tudo. Jogou tudo pro alto. Ficou indignado. E eu tive que deixar tudo arrumado de novo pra ele. Fiquei desesperado e achei que tinha perdido meu emprego, mas a família Medina mandou repor tudo e ficou tudo bem. Nunca mais esqueci disso”, revelou.