Estava prevista para a tarde de ontem (21) a votação sobre o “Estatuto das Famílias do Século XXI” na Câmara dos Deputados. Porém, através das redes sociais e no boca-a-boca entre os deputados, espalhou-se o boato calunioso de que o projeto de lei reconheceria as relações incestuosas. Entenda!

O “Estatuto das Famílias do Século XXI”, foi apresentado pelo deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), através do projeto de lei 3369/2015. O projeto tinha como objetivo reconhecer como família “todas as formas de união entre duas ou mais pessoas que para este fim se constituam e que se baseiem no amor, na socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual, nacionalidade, credo ou raça, incluindo seus filhos ou pessoas que assim sejam consideradas.”

O texto atualizaria o conceito tradicional de família, protegendo legalmente casais homoafetivos, famílias uniparentais e outras configurações familiares. Deputados da oposição, entretanto, apresentaram uma emenda reforçando que a família só pode ser composta por “homem e mulher”. A emenda foi derrubada pelo relator da medida. 


Inconformados com o avanço do projeto, deputados da bancada conservadora utilizaram as redes sociais para disseminar a notícia falsa de que o texto legalizaria as relações incestuosas e a pedofilia. Com a polêmica, a votação foi adiada e não possui data para voltar ao plenário. Que papelão…