A relação da Ministra Damares Alves, chefe do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, com a comunidade LGBT é marcada pelas polêmicas. Apesar de acenar pontualmente para o reconhecimento da diversidade sexual e de gênero, falas da Ministra colaboram com a discriminação contra os LGBTs. Relembre as principais polêmicas!

Tudo começou após a eleição do atual governo. Ainda em dezembro, Damares foi anunciada como futura Ministra. Ex-pastora e ex-assessora do senador Magno Malta (PR-ES), Damares acenou para a comunidade LGBT em sua primeira fala pública, garantindo que dá para ter um governo de paz entre o movimento conservador, o movimento LGBT e os demais”.

A paz, entretanto, não durou muito. Logo começaram a aparecer vídeos de antigas pregações da ex-pastora. Em um deles, afirma que ninguém nasce gay. “Não há prova científica que exista gene gay. Não há prova científica que o gay nasça gay. Se tivesse, já tinham jogado na nossa cara”, disse Damares. “A homossexualidade, ela é aprendida a partir do nascimento, lá na infância. A forma como se lida com a criança. Mas ninguém nasce gay”.


Com a posse, viralizou um vídeo gravado pelos apoiadores da Ministra já em Brasília. Na filmagem, ela celebra: “É uma nova era no Brasil. Menino veste azul e menina veste rosa!”. A frase repercutiu durante semanas nas redes sociais, causando uma reação contrária de diversos setores, políticos ou não. “Fiz uma metáfora contra a ideologia de gênero” se explicou.

Mas não parou por aí. Em novos vídeos revelados da pastora, Damares afirma que o movimento LGBT tentará tirar a Bíblia de circulação no país, que desenhos animados (como “Bob Esponja” e “Frozen”) possuem mensagens homossexuais e que existe uma “pressão” para meninas se assumirem como bissexuais.

Águas passadas? Aparentemente não. No início da semana, a Ministra se reuniu em Brasília com um grupo de “Ex-Gays” que apoiam as terapias de conversão sexual (cura gay). Xi…