Grindr (Imagem: Divulgação)
Grindr (Imagem: Divulgação)

Patryk Hrymak, 27 anos, foi sentenciado a dois anos e quatro meses de prisão por chantagear contatos que havia conhecido através do aplicativo de pegação Grindr. Ao menos oito vítimas foram ameaçadas por Patryk.

O procedimento era o mesmo: Patryk conhecia as vítimas a partir do aplicativo Grindr, uma rede social voltada para homens que fazem sexo com homens, homens gays e bissexuais. Após alguns minutos de conversa, Patryk trocava fotos sensuais com as vítimas e solicitava que eles enviassem nudes e outras fotos em momentos sexuais.

Em seguida, Patryk os convencia que queria marcar um encontro pessoalmente, mas que estava inseguro e precisaria de maiores informações sobre o parceiro. Após conseguir as outras redes sociais da vítimas, como o Facebook e o Instagram, Patryk ameaçava publicas as fotos publicamente nas redes sociais indicadas, expondo as vítimas (e muitas vezes, tirando-as do armário).


Os homens, então, eram impelidos a transferir uma quantia de dinheiro para que a ação não se concretizasse. Uma das vítimas chegou a pagar 120 libras para que as imagens não fossem divulgadas. Outras pessoas que se depararam com o caso, entretanto, apenas bloquearam Patryk e o denunciaram à polícia, que efetuou a investigação e a prisão.

Patryk alegou que tinha uma dívida de cerca de sete mil libras com um revendedor de maconha.