Destaque na mídia nacional desde que revelou conversas secretas do Ministro da Justiça, Sérgio Moro, com promotores da Lava Jato, o jornalista americano Glenn Greenwald, afirma que tem sofrido “ameaças” por parte do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Em entrevista ao site HuffPost, Gleen relatou que tem sido perseguido. “Juntos, Sérgio Moro e Jair Bolsonaro estão obviamente tentando me ameaçar. Isso é o tipo de perseguição mais severa possível vinda do governo”, declarou.

Nesta última semana o Ministério da Justiça assinou uma portaria onde autoriza a deportação sumária de qualquer estrangeiro “perigoso ou que tenha praticado ato contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal”.


“Eu não acredito que Moro e Bolsonaro podem me prender sem mostrar evidência concreta e credível para os tribunais de que eu fiz alguma coisa criminosa. E eu também sei que essa evidência não existe. É por isso que não saio deste País”, disse à publicação, o também advogado, que tem sido apontado pelo presidente como criminoso.

Ainda durante a publicação, Glenn, que é casado com o deputado federal David Miranda, afirmou que recebe mensagens homofóbicas diariamente. “O ódio que eles [equipe de Bolsonaro] estimulam contra mim é parte do ódio que eles estimulam contra LGBT”, disse Glenn, que nesta semana recebeu uma declaração do esposo no Twitter.