A vida familiar do candidato à presidência da Argentina Alberto Fernández está chamando atenção da mídia local. Isso porque seu filho, Estanislao Fernández, faz sucesso na noite como drag queen.

Conhecido como Dyhzy, o jovem, que tem 24 anos, disse em entrevista à rádio Formosa, que começou a se montar logo após conhecer o mundo dos cosplayers, no qual se fantasiava de personagens de desenhos japoneses.

“Estava me relacionando com uma garota que fazia cosplay e comecei a me interessar. Foi assim que comecei a me fantasiar e, ao mesmo tempo, conheci o mundo das drag queens”, revelou ele, que tem quase 60 mil seguidores no perfil da drag queen.


Apesar de fazer drag e se declarar como homem gay, Estanislao namora há três anos a jovem Natalia Leone. Conforme o rapaz, a sexualidade é fluida e a relação dele com a moça é uma escolha.

A arte da drag queen não tem afetado negativamente o pai de Estanislao. Em entrevista à Rádio com Vós, Alberto disse que não tem medo que seja rejeitado por conta do trabalho do filho e afirma que o rapaz é ‘um grande homem’“.

“Nesse mundo [de drag queen], que não conheço muito, ele é muito respeitado e reconhecido. Tenho orgulho do meu filho. Como não vou tê-lo? Ele é militante dos direitos dessa comunidade. Ficaria preocupado se meu filho fosse um delinquente”, declarou.

Aqui no Brasil um político que tem um filho LGBTQ+, é Wilson Witzel. O governador do Rio é pai de Erick Witzel, que é transgênero. Neste último Dia dos Pais, o rapaz usou o Instagram para homenagear o pai, o qual não tem uma relação muito boa.