Olivia e Mary Trollinger frequentavam uma igreja no Mississipi, Estados Unidos, usualmente. Entretanto, na última segunda-feira, 12 de agosto, o casal recebeu uma carta de seu pastor determinando que elas parassem de frequentar a congregação.

Barry Baker, o pastor responsável pela paróquia, convocou uma reunião geral para determinar o que seria feito em relação às mulheres, que casaram civilmente em 2018. Segundo ele, os membros votaram “sem objeção” pela expulsão do casal das atividades da igreja.

A carta dizia que a decisão se dava pelo “estilo de vida incompatível com a Bíblia que o casal levava. A expulsão, inclusive, era aprovada pela família de Mary.


Por fim, o pastor afirmou que o casal poderia voltar a frequentar as atividades caso “se arrependesse do relacionamento e restaurasse seu estilo de vida”, isto é, caso se divorciasse e abrisse mão de viver de acordo com sua orientação sexual. Também afirmou que não seria tolerado que elas continuassem “vivendo em pecado”.

No Brasil, o presidente atacou no início do mês as famílias LGBT e afirmou que “ideologia de gênero” é coisa “do capeta”.