A escritora Jenna Karvunidis é conhecida por ser uma das principais responsáveis por transformar os “chás de revelação” em uma tradição contemporânea. Agora, mais de dez anos após sua festa ter viralizado nas redes sociais, ela reflete sobre os impactos negativos da celebração para as pessoas transgênero.

Jenna Karvunidis conta que não imaginava que a festa programada por ela e seu marido para anunciar que a gestação finalmente alcançou a estabilidade (após sucessivos abortos espontâneos), permitindo-os finalmente saber o sexo do bebê, se transformaria em uma nova tradição – “cada vez mais elaborada e exagerada” diz a escritora.

A festa, entretanto, é criticada por parte da comunidade trans. Isso porque reforça esteriótipos e papéis de gênero (o famoso “azul para menino e rosa para menina”) assim como contribuiu para a ideia de que o sexo registrado ao nascer corresponderá certeiramente ao gênero do indivíduo, constrangendo pessoas transgênero à margem de um suposto padrão.


“Estou feliz que essas festas tenham trazido alegria para as pessoas, mas essa alegria foi à custa de pessoas não-binárias e trans”, disse a escritora para uma reportagem. “Mesmo que você diga que um problema não ‘te’ afeta pessoalmente, todos nós devemos ter humanidade suficiente para perceber que não precisamos causar dor para as pessoas marginalizadas para sentir felicidade.”

E você? Qual sua opinião sobre os chás de revelação?