O Google, mais conhecido site de buscas do mundo, alterou seu algorítimo para que buscas por “lésbicas” apresentasse mais conteúdo de informação e conscientização e direcionasse menos para os sites de pornografia online.

A demanda era uma das mais requisitadas pelas mulheres e pela comunidade lésbica. Enquanto outros termos da comunidade LGBT direcionavam para páginas de informação e pesquisa, o alto nível de acesso e volume de pornografia lésbica online acabava direcionando o usuário diretamente para essas páginas.

Após uma campanha realizada através das redes sociais, o Google se comprometeu a corrigir o algorítimo. Os novos resultados já estão sendo mostrados no sistema de buscas.


A empresa reconheceu a importância dessas alterações, que contribuem para o combate à sexualização e assédio de mulheres lésbicas, e informou que já realizou mais de três mil mudanças no algorítimo. Anteriormente, palavras como “adolescente” e “menina” também se vinculavam à sites pornográficos.