Uma pesquisa realizada pelo Coletivo #VoteLGBT durante a 22ª Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte, que aconteceu neste domingo (14), mostrou que a maioria da comunidade LGBT da cidade já foi vítima de algum tipo de agressão.

De acordo com o coletivo, das 611 pessoas entrevistadas, 58,5% deste público relatou ter sido vítima de agressões. Além disso, 44,5% das pessoas afirmaram que as agressões acontecem na rua.

Para chegar ao resultado final, o estudo fez uma espécie de mapeamento de acordo com o perfil étnico, social e econômico desse público. A partir disso foi constatado que os frequentadores da Parada têm uma idade média de 26 anos e que cerca de 15,55% deles são heterossexuais – na sua maioria mulheres.


Conforme dados disponibilizado pelo Atlas de Violência de 2019, nos últimos anos foi registrado um aumento de casos de LGBTfobia. O número de homicídios denunciados subiu de 5 em 2011 para 193 em 2017, em todo Brasil.

Mais dados

Raça/cor
branca – 33,3%
preta – 32,9%
parda – 29,13%

Religião
nenhuma – 33,7%
católica – 24,22%
evangélica – 9,9%
espírita – 8,1%
umbanda – 4,9%
candomblé – 3,1%

Orientação sexual
gay – 33%
lésbica – 19,3%
bissexual – 18,3%
heterossexual – 15,5%

É favorável ao porte de armas?
não – 90,3%
sim – 7,3%

Já sofreu LGBTfobia?
sim – 58,5%
não – 24,2%

Se sofreu, onde aconteceu? 
44,5% – na rua
34,2% – na escola
24% – em casa
19,4% – no trabalho

Causas mais importantes
escolas ensinarem respeito aos LGBTs – 48,7%
cotas de emprego para transexuais – 46,6%

Qual é o tema da Parada LGBT deste ano?
não sabe/não lembra – 56,1%