Um caso inusitado entre uma mãe e uma filha transexual tem chamado atenção da mídia americana. Isso porque a mãe está processando a própria filha por ter se emancipado e transicionado de gênero.

Após três anos buscando “justiça” pelo o caso, Annmarie Calgaro, que mora no estado de Minessota, foi parar na última instância na Suprema Corte do país. Segundo ela, seus “direitos parentais foram violados” quando sua filha decidiu transicionar do masculino para o feminino, sem sua permissão.

“Chegou ao meu conhecimento que meu filho (sic) iniciou um tratamento no Park Nicollet Health Services para fazer a transição de homem para mulher, pago pelo serviço de assistência médica. Eu não fui consultada e nem informada em nenhum momento”, disse Anmarie.


A jovem, que não teve o nome divulgado, abandonou a casa dos pais ainda quando era adolescente, aos 15 anos de idade. Conforme ela, a família era bastante conservadora e LGBTfóbica, e não aceitava sura identidade de gênero.

Para a justiça a moça afirmou que desde os 13 anos sempre viveu em um ambiente turbulento e instável. Além disso, sofria os diversos abusos e ameças LGBTfóbicas, chegando a ter a comida recusada.