Após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) proferir comentários preconceituosos aos nordestinos na semana passada, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou que o presidente, além de xenofóbico, legitima a homofobia e a violência contra as mulheres.

“Meu sentimento é de perplexidade. Nunca imaginei na minha vida de ter alguém sentado na cadeira de presidente e seus assessores com nível tão baixo, despreparo tão grande, com tampouco compromisso com o País. Tem que ser um estadista. Ele tem de governar para todo o povo brasileiro. São ofensas seguidas ao povo nordestino. Um verdadeiro estímulo ao racismo, à discriminação”, afirmou Rui durante uma entrevista à rádio Metrópole.

O caso envolvendo o presidente aconteceu na última sexta-feira (20), antes de começar uma entrevista coletiva com jornalista, em Brasília. Sem saber que os microfones já estavam gravando, o presidente falou: “Daqueles governadores de ‘Paraíba’, o pior é do Maranhão. Não tem que ter nada com esse cara”. Completando com um “picaretas”.


Conforme o governador, Bolsonaro como o presidente de um dos maiores países do mundo não pode estar pregando guerra ou preconceito com suas falas, com isso ele estaria “agredindo constantemente vários segmentos da sociedade brasileira”.

“Os governadores estão conseguindo diminuir significativamente a violência no Nordeste. Mas o que cresceu foi a violência contra as mulheres. Isso é legitimado pelo condutor principal da nação. Cresceu a violência homofóbica. Isso é legitimado (por Bolsonaro)”, disse Rui.

Nesta semana outra personalidade baiana a se pronunciar contra o presidente foi a cantora Daniela Mercury. Durante um show na Virada Cultural de Belo Horizonte, exaltou a cultura nordestina e falou do amor dos brasileiros pela região.