Presidente Jair Bolsonaro (PSL) (Reprodução/EBC)
Presidente Jair Bolsonaro (PSL) (Reprodução/EBC)

Segundo o portal UOL, Bolsonaro afirmou a parlamentares evangélicos que seu governo pretende incluir os termos “pai” e “mãe” nos campos destinados à filiação na documentação relativa aos passaportes brasileiros.

“O nosso Itamaraty aqui, que tem à frente o embaixador Ernesto Araújo, em nosso passaporte nós estamos acabando com a história de genitor 1 e genitor 2, estamos botando os termos pai e mãe”, disse o presidente.

Contudo, esta medida de enfatizar ‘mãe’ e ‘pai’, inevitavelmente excluem os relacionamentos homoafetivos. Vale ressaltar que o termo ‘homoafetividade’ é um neologismo criado para indicar que, em configurações de famílias homossexuais, também existe afeto.


Acerca da respectiva mudança do presidente, a página da Polícia Federal ressaltou que os campos são em respeito às uniões homoafetivas. “Esses campos presentes no formulário substituem os campos ‘Nome do Pai’ e ‘Nome da Mãe’, e são de livre preenchimento, em face da possibilidade de novas constituições familiares, inclusive para união homoafetiva”.

Sobre outra discussão controversa que versou sobre as prioridades do governo na reeleição da ONU, Bolsonaro reiterou pedido de exclusão de gênero na campanha.“Nós estamos disputando na ONU nossa candidatura à reeleição no Conselho de Direitos Humanos e a nossa pauta é baseada no fortalecimento das estruturas familiares e a exclusão das menções de gênero”, afirmou o presidente.