Desde 2015 a cidade conta com uma lei contra discriminação (Foto Ilustrativa)

Buenos Aires não é considerada a “cidade das paixões” à toa. A capital argentina é ideal para os turistas LGBTs que buscam desfrutar da agitação da noite em barzinhos e boates, até fazer parte de um passeio mais cultural.

Em um momento onde os brasileiros vivem tempos sombrios quando se diz respeito às políticas públicas à favor da diversidade e falta de incentivo ao turismo LGBT. O governo da cidade de Buenos Aires preparou uma lista onde mostra o quanto tem trabalhado para comunidade LGBT local.

Veja os quatro motivos que mostram o por que de Buenos Aires está na vanguarda das leis LGBT:


1 – Matrimônio igualitário

Na Argentina, a Lei do Casamento Igualitário é uma realidade que dá aos casais LGBT os mesmos direitos e serviços sociais que o resto da sociedade. Em 2010, o Senado aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, tornando a Argentina o primeiro país da América Latina a legitimar o casamento gay.

2 – Identidade de gênero

Em Buenos Aires, foi aprovada em 2012 a Lei 26743, que reconhece o direito a uma identidade de gênero autopercebida e determina que mudanças de registro e intervenções cirúrgicas e hormonais devem ser realizadas com a mera vontade da pessoa. É a única lei de identidade de gênero no mundo que, de acordo com as tendências do assunto, não patologiza a condição trans.

3 – Contra a discriminação

Em 2015, a Lei 5261, conhecida como Lei contra a Discriminação, foi promulgada na Cidade de Buenos Aires, estabelecendo uma longa lista de pretextos discriminatórios, entre os quais se incluem a orientação sexual e a identidade de gênero. A partir dessa legislação é possível receber denúncias de violação de direitos.

4 – Marcha del orgullo LGBT

A Marcha do Orgulho LGBTIQ de Buenos Aires é uma manifestação realizada anualmente na capital da Argentina, que busca a igualdade de direitos para as pessoas e é o principal ato público da comunidade LGBT na Argentina. Foi realizada pela primeira vez em 1992 e é comemorada no primeiro sábado de novembro de cada ano, em comemoração à criação do Nuestro Mundo, o primeiro movimento homossexual da Argentina.