A quadrilha já aplicou golpes em Goiás, Ceará e São Paulo (Foto: reprodução)
A quadrilha aplicava golpes em Goiás, Ceará e São Paulo (Foto: reprodução)

Até o final de maio deste ano, 1.266 policiais civis da ativa em São Paulo tiveram aula de “Direitos humanos: Polícia Civil e diversidade” nos cursos de aperfeiçoamento.

No ano passado, foram 2.822 agentes. Os temas incluem conceitos de homofobia , transfobia, direitos da população LGBTI+ e população LGBTI+ em situação de rua. Policiais civis assistem à aula sobre direitos LGBTI+ em São Paulo, conforme reportou O Globo.

É sempre motivo de discussão a relação da polícia com grupos minoritários. Desse modo, somos sempre surpreendidos com diversas acusações, em relação ao tratamento da polícia perante esses grupos. Sabendo disso, a delegada Juliana, enfatiza os assuntos que compõem o curso.


Mostramos nos cursos a cronologia de construção de direitos entre esses grupos e trabalhamos questões de gênero , sexualidade, deficiência, etnia. Falamos de cirurgia de transição, nome social, dos avanços jurídicos. Isso só nos traz vantagens como policiais, de poder representar a sociedade”, diz a delegada Juliana Mota, professora e pesquisadora na Academia de Polícia (Acadepol), na zona oeste de São Paulo.