Madonna
Madonna Eurovision Song Contest, Tel Aviv, Israeli - 19 May 2019 (Reprodução)

Não é primeira vez que Madonna pauta assuntos que permeiam a realidade contemporânea em seus shows. Aliás, muitos artistas de grande alcance aproveitam a visibilidade para trazer à lume, de forma simples, temáticas controversas.

Madonna não é diferente. A rainha do pop usou o palco para incentivar a união e o amor entre as pessoas. Parece clichê e discurso de miss, mas a cantora tematizou artisticamente o conflito entre Israel e Palestina e, com isso, recebeu criticas da Ministra.
A ministra israelense da Cultura, Miri Regev, considerou neste domingo (19) um “erro” os dançarinos de Madonna exibirem bandeiras palestinas nas costas durante sua apresentação na final do concurso Eurovision.

Historicamente, O conflito entre Israel e Palestina é uma disputa de poder. Em suma, é uma disputa sobre a posse do território palestino e tornou-se o cerne dos debates políticos e diplomáticos atuais. A disputa ainda se acirrou no fim do século XX a partir de 1948, quando foi declarada a criação do Estado de Israel.


A estrela do pop recebeu boicotes, ativistas pró-palestinos a acusaram de maquiar a realidade do conflito israelense e palestino. Para os críticos ferrenhos, é fácil esconder a supremacia israelense e simplesmente pedir paz.

Em sua defesa Madonna não deixou de enfatizar: “Nunca devemos subestimar o poder da música para unir as pessoas”, respondeu ela pontuando a principal mensagem que quis transmitir.