A jornalista Alana Rocha (Foto: Osmar Gama)
A jornalista Alana Rocha (Foto: Osmar Gama)

Primeira mulher trans a ser contratada como repórter de um programa policial, a jornalista baiana, Alana Rocha, 37 anos, confessou que entrevistar um agressor de travestis foi um dos momentos mais marcantes de sua carreira.

Em entrevista ao site NLucon, a jornalista, que ganhou fama em todo o país pelo seu jeito diferenciado de apresentar as matérias, disse que fez questão de perguntar na frente do agressor o porque dos crimes, mas ele não teve coragem de responder em sua frente.

“Quando cheguei lá, fiz as perguntas de praxe: ‘Por que você fez isso? Você tem algum trauma? Você é gay?’. E ele sempre calado, dizendo que não tinha nada a declarar”, disse.


No dia seguinte, Alana contou que recebeu um telefonema da delegada plantonista contando uma curiosidade do criminoso. “A delegada me ligou e disse: ‘Alana, assim que você saiu, ele confessou que agredia travestis porque o pai largou a mãe e foi morar com uma travesti. Aí ele tomou ódio de travesti”, disse.

Alana, que era repórter do programa ‘Ronda’, da TV Aratu (Filiada do SBT em Salvador), foi demitida após se posicionar politicamente a favor do candidato ao governo da Bahia, Rui Costa (PT) e ao candidato à presidência do Brasil, Fernando Haddad (PT), nas eleições de 2018.