Agora o gora o departamento se chamar Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (Ilustrativa)
Agora o gora o departamento se chamar Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (Ilustrativa)

Referência mundial no tratamento e atenção de doenças sexualmente transmissíveis, o governo federal finalizou o Departamento de IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis), Aids e Hepatites Virais.

A partir de agora o departamento passa a se chamar Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, onde doenças como hanseníase e tuberculose serão cuidadas ao mesmo tempo que estrategias contra o HIV.

Em nota enviada à imprensa, o Ministério da Saúde afirmou que “a nova estrutura regimental promove maior integração entre as áreas do Ministério da Saúde, que busca reordenar ações e tomada de decisão das políticas públicas em favor da população e melhor gestão do Sistema Único de Saúde (SUS)”.


Após a nova norma ser criticada por algumas ONGs de combate ao vírus do HIV, o órgão de saúde ainda afirmou que a nova política não vai afetar no investimento de ações. Além disso, foi identificado a necessidade de implementar ações “mais eficientes e contemporâneas” contra a Aids.

“O HIV/Aids, a tuberculose e a hanseníase possuem características de doenças crônicas transmissíveis, com tratamento de longa duração, o que permite uma integração das ações. As pessoas vivendo com HIV, por exemplo, têm maior risco de desenvolver a tuberculose, além de ser um fator de maior impacto na mortalidade nesses casos”, afirma a pasta. “Também é comum que o diagnóstico da infecção pelo HIV seja feito durante a investigação/confirmação da tuberculose”, completou.