Coordenador da CEDS do Rio de Janeiro, Nélio Georgini (Divulgação)
Coordenador da CEDS do Rio de Janeiro, Nélio Georgini (Divulgação)

Após a aprovação da criminalização da homofobia pelo Superior Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (24), o coordenador Especial da Diversidade Sexual do Rio de Janeiro, Nélio Georgini, comemorou decisão.

“Hoje é um dia histórico para a comunidade LGBT e para sociedade brasileira. Reconhecer a LGBTfobia como crime, e equiparar ao racismo, é admitir um erro histórico de violações contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais”, declarou o coordenador ao Observatório G.

Nélio ainda fez questão de afirmar que a decisão do STF significa um novo caminho de oportunidades para a comunidade LGBT. “O Superior Tribunal Federal (STF), mais uma vez, incluindo direitos aos LGBTs, está oferecendo dignidade e direito à vida para esse grupo social”, disse.


Nesta primeira sessão, seis dos primeiros ministros votaram a favor, ainda faltam 11. O projeto pede que a LGBTfobia seja incluída na lei 7.716/89, conhecida popularmente como Lei Antirrascimo, retorna para julgamento no dia 5 de junho.