Bandeira LGBT
Bandeira LGBT suja de sangue (Foto: reprodução)

Um casal gay afirma ter sido vítima de homofobia enquanto participava de uma festa em uma casa noturna de Porto Velho. O caso se tornou notório e ganhou grande repercussão após postagem na última quinta-feira (2), quando Iago Henrique, de 25 anos, desabafou o ocorrido no facebook.

“Eu estava abraçado com meu namorado e ele falou algo no meu ouvido e depois me beijou. Eis que um cara separou a gente aos gritos dizendo ‘Seus imundos se querem se comer que seja longe daqui. Eu mando nessa p****. Se [eu] ver se agarrando de novo vou quebrar vocês na porrada. Eu tô aqui com minha família seus desgraçados”, relatou o jovem na postagem.

Segundo Iago, a represália ocorreu na frente dos seguranças do local que, por sinal, permaneceram calados diante da covardia.


“Chegaram uns quatro amigos do cara já para cima da gente e eles começaram a vir dançando em cima de nós, meio que para começarem uma briga. Eu olhei para o segurança, mas ele nem se mexeu. Só me olhou e baixou a cabeça. Até que meu amigo chegou com outro segurança e levou eles [os agressores] para outro lugar”, lembra o jovem.

Ademais, Iago relata também que o mesmo segurança chegou a rir da situação. “A mulher do cara que gritou com a gente foi pedir desculpas. Ele deu um puxão nela pelo braço, mandou ela calar a boca e a empurrou. [Ele] foi até o segurança, fez uma piada sobre a gente e o segurança só riu”, afirma o jovem.

Medo

Procurado pelo G1, o garoto afirmou ter medo que isso ocorra novamente. Aliás, nessas situações, os desfechos costumam ser fatais.
“Minha mãe pediu para eu apagar o post. Até ela tem medo que as pessoas que frequentam a boate, ou que são simplesmente homofóbicas, maltratem ou tentem me atacar na rua, me ameacem ou que eu seja vítima de alguma represália inspirada por isso. A família do meu namorado está revoltada, quer que tomemos atitudes mais firmes, mas acontece que o medo de algum tipo de perseguição é muito preocupante”, lamenta Iago.

“No meu próprio post, uma moça que estava no mesmo dia em que isso aconteceu comigo, relatou que um homem estava na frente do banheiro feminino mostrando o órgão genital para ela, e isso tudo na frente dos seguranças que, mais uma vez, não fizeram nada. Pelo que pareceu, a atitude homofóbica e agressiva do homem era algo normal e certo para ele”.

Posicionamento da Boate

Não obstante, a Broadway ratificou que recrimina qualquer atitude racista, discriminatória, homofóbica e enfatizou que repudia veementemente qualquer ação que possa ocasionar danos morais e físicos, ou que aflija à Dignidade da Pessoa Humana.

A boate também informou ao G1, que só tomou conhecimento do fato através das mídias sociais. Sobre a postura dos seguranças, assegurou que já foram orientados sobre a postura correta adotada pela casa.

Ademais, a boate também afirma estar à disposição para que os agressores sejam devidamente punidos, conforme determinação da lei.