Bandeira LGBT
Bandeira LGBT (Foto: divulgação)

Diariamente, vemos casos de pessoas expulsas de suas casas pela sua orientação sexual ou identidade de gênero. Várias Casas de Acolhimento e projetos afetivos têm aberto suas portas em algumas cidades para dar resposta a essas pessoas. A Yumbrel Pais Afetivos começou a ser ponte e filtro entre pessoas que vivem uma realidade desafortunada. Outras que podem ajudar abrindo as portas das suas casas para receber, temporária ou definitivamente.

Yumbrel é uma palavra dos mapuche, que são indígenas sul-americanos, da região do Chile e Argentina. Eles usam o termo para falar do momento em que o arco-íris está no seu maior esplendor. A Fundação Yumbrel Pais Afetivos ajuda a conectar pessoas que precisam, com pessoas que podem ajudá-las.

A Plataforma Yumbrel existe desde 2018 e se fundiu com a Organização Pais Afetivos em fevereiro deste ano. A partir disso nasce a Fundação Yumbrel Pais Afetivos está localizada no interior do estado de São Paulo. A Yumbrel conta com doadores únicos e mensal e tem o projeto de mobiliar uma casa com escritório para atendimento aos colaboradores e parceiros. Um quarto de acolhimento emergencial aos acolhidos, será a sub sede Yumbrel, na capital de São Paulo. E atenderá em todos os países latino-americanos.


A fundação trabalha pelo Instagram, Facebook e WhatsApp com um grupo de pré-atendimento. Nos casos de vítimas de agressão ou expulsão, estão abrindo Grupos de Suporte Psicossocial (GSPs). Através de uma equipe de profissionais voluntários que acompanham é feito suporte e orientam à vítima por WhatsApp. Não se faz terapia, nem intervenção.

Os GSPs funcionam como um espaço virtual para desabafar, ser escutado e receber orientações de profissionais. Já são mais de 80 colaboradores e parceiros diversos e mais de 30 vítimas sendo acompanhadas nos GSP.