O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/TV Globo)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (2) não ter “dúvida” de que o nazismo era um regime de esquerda. Ele invoca o argumento utilizado pelo senso comum, sobre o nome do Partido: Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. “O senhor concorda com o seu chanceler de que o nazismo foi um movimento de esquerda?”, indagou um jornalista a Bolsonaro.

“Não há dúvida, não é? Partido Socialista, como é que é? Da Alemanha. Partido Nacional Socialista da Alemanha”, respondeu o presidente.

Novamente acendeu esta discussão, que já deveria ter sindo findada. Nazismo de Esquerda ou Direita? Mesmo Hitler tendo declarado ódio mortal aos comunistas, esta discussão sempre vem à tona, sobretudo para acirrar ainda mais a polarização. Os adeptos do “nazismo era de esquerda” afirmam que, o que importa era agenda seguida minuciosamente por Hitler, que havia ordenado o desarmamento da população, bem como todos reféns do Estado Totalitário.


Contudo, Hitler era um déspota e o nazismo constituía um regime nacionalista, que pregava a supremacia dos arianos. Aliás, no próprio Mein Kampf,o aspecto importante que merece ser ressaltado, é o posicionamento político claramente Anti-comunista, e uma preocupação evidente com a expansão da ideologia marxista. Hitler usou como tese principal o “Perigo Judeu”, que fala sobre a conspiração dos Judeus para ganhar a liderança na Alemanha.

Nazismo era de direita, diz museu visitado por Bolsonaro

“Junto à intransigente resistência e alertas sobre a crescente ameaça do comunismo, criou solo fértil para o crescimento de grupos radicais de direita na Alemanha, gerando entidades como o Partido Nazista”, afirma o museu.

FRAUDE

Segundo o G1, para Para Antonio Barbosa, historiador da Universidade de Brasília (UnB), falar que o nazismo é um fenômeno de esquerda é uma “fraude”.

“Uma fraude intelectual e uma releitura completamente equivocada da própria história. É como se fosse negar o fato histórico que aconteceu na Alemanha nos anos 1930, nos anos 1940. Esse é o primeiro ponto. O segundo é que o nazismo se justifica como a oposição mais vigorosa ao socialismo, à esquerda, ao comunismo. […] No caso da política externa, isso é extremamente perigoso porque mostra ao mundo uma visão sectária, radicalmente sectária no Brasil, o que não é bom para o país”, afirmou