Soldado trans Henrique da PM de São Paulo
Policial trans Henrique da PM de São Paulo (Foto: Marcelo Brandt/Reprodução/G1)

O soldado Henrique, de Ituverava, teve o reconhecimento do gênero ao qual se identifica pela Polícia Militar de São Paulo. Emanuel Lunardi Ferreira, faz parte da comparação desde 2015. Ele entrou antes de passar pela transição e foi reconhecido em 2018 como do gênero masculino também no trabalho. A medida é inédita o tornando o primeiro trans a exercer uma função dentro da PM em 200 anos. As informações são do G1.

O agente começou em 2017 um tratamento hormonal, a fim de se tornar visualmente homem. Ele se considerava homossexual, já que na adolescência passou a gostar de garotas.

Já adulto procurou uma ajuda psicológica, foi quando descobriu a sua transexualidade.“Eu entrei como mulher. Eu não sabia das questões de transgênero. Eu não sabia sobre a transição, nada a respeito. Então, eu não sabia que era trans”, relatou.

Em 2017, o soldado resolveu exigir o tratamento pelo gênero masculino, solicitando também a Polícia Militar para retificar o seu nome. O psicólogo da corporação ouviu Henrique e aceitou alterar os registros, foi quando entrou no processo interno, que durou quase 1 anos para ser finalizado.

“A Polícia Militar tem 188 anos, e este é o primeiro caso de transexual. Temos casos de homossexuais na PM, mas de transexual é o primeiro caso”, diz a capitã Claudia Lança, chefe de comunicação social da PM em Franca.


O policial afirma que tinha muito receio em procurar a PM para pedir a alteração dos seus dados, ele temia ser expulso da corporação, o fato se dava por desconhecer os seus direitos como policial militar. O seu pedido junto a PM se baseou na lei estadual, que determina que transexuais e travestis sejam tratados em repartições públicas pelo nome social.