Visibilidade Trans
Visibilidade Trans (Foto: reprodução)

Profissionais da Saúde de Mesquita participaram de uma capacitação, nesta quarta-feira, dia 24 de abril. Idealizada pela Coordenadoria Municipal de Diversidade Sexual, a iniciativa visa preparar estes funcionários a garantir atendimento adequado às pessoas trans do município. A ação aconteceu no auditório Zelito Viana, na sede da prefeitura. Equipes ligadas aos Centros de Referência Baixada I (Duque de Caxias) e II (Queimados), lideradas pela coordenadora Sharlene Rosa, ministraram a ação.

“O respeito é um direito de todos e é isso que pretendemos garantir. Sou uma mulher trans e sei que, para muita gente, essa ainda é uma situação nova. Mas precisamos instruir os funcionários, principalmente aqueles que prestam o primeiro atendimento. Uma travesti ou transexual que se sinta discriminado no Sus pode se afastar dos serviços e arriscar a própria saúde.”, alertou Paulinha Única, a coordenadora de Diversidade Sexual de Mesquita.

A capacitação durou cerca de duas horas e teve como ponto principal a discussão da importância do uso do nome social do indivíduo trans tanto na comunicação oral quanto nos prontuários e outros documentos dentro das unidades de saúde. “O uso do nome social no SUS é um direito garantido e que precisa ser cumprido. O próprio prefeito de Mesquita, Jorge Miranda, me instruiu a incentivar as pessoas que se sentirem desrespeitadas nessa questão a registrarem isso na Ouvidoria, para que providências internas possam ser tomadas”, enfatizou Paulinha Única.


Prefeitura de Mesquita

Sharlene ainda elogiou a atuação do município de Mesquita no respeito às questões de orientação sexual e identidade de gênero. “Rodo dezenas de cidades e Mesquita é a que tem um dos melhores prefeitos para a população LGBT. Alguns gestores se recusam até a falar sobre essa parte do povo, esquecendo que nós também votamos. Pagamos impostos e fazemos tudo como qualquer cidadão responsável”, disse.

Presente na ação, o subsecretário de Saúde de Mesquita, Leandro Guedes, falou algumas palavras de estímulo às equipes do município. Para ele, a expressão “capacitação” nem seria a mais adequada para ser utilizada. “Essa é uma questão muito mais de sensibilização do que de capacitação. Eu espero, sinceramente, que nossos profissionais saiam daqui com a sensibilidade necessária para saberem lidar com as diferenças de maneira respeitosa e adequada”, discursou.