Youtuber gay acusa policiais militares de cometerem ataque homofóbico durante Bloco com Claudia Leitte em SP
Youtuber Guigo Kieras afirma ter sido agredido por policiais militares na dispersão de bloco de Claudia Leitte, em São Paulo (Foto: Reprodução/Instagram/Montagem Põe na Roda)

Um youtuber gay acusou policiais militares de praticarem um ataque homofóbico contra ele em São Paulo. As agressões teriam ocorrido durante a passagem do Bloco Largadinho, com Cláudia Leitte, no último sábado (09).

Segundo o relato de Guigo Kieras, o episódio aconteceu após tentar se abrigar da forte chuva que começou a cair já no fim do circuito. “Tentei com um amigo me abrigar embaixo de uma marquise, onde policiais militares se protegiam e fomos impedidos. Um dos policiais informou que não podíamos ficar ali, sem questionar saímos e andamos mais alguns metros, nos alojando embaixo de uma árvore próxima dessa marquise, onde não havia ninguém e fiquei abraçado com ele para me proteger do frio, nisso um policial começou a gritar dizendo que ali também não podíamos ficar.”

“Eu questionei porque não havia motivo aparente para não poder, fomos em seguida perseguidos por 4 a 5 PMs que nos batiam com cassetetes, chegando a me perseguir na rua, me levar a força para uma rua afastada, onde levei socos, chutes e fui desacordado por uma mata-leão.” continuou.


LEIA MAIS:

Paula causa polêmica ao afirmar que comportamento de certos gays justificam homofobia

Produtor da cantora Pepita é vítima de homofobia em São Paulo

Kieras ainda contou que uma das últimas coisas que lembra é de ter implorado para não morrer. “Segundos após acordar, me recordo de pedir pra ir embora. Fui chutado para a rua, onde, sangrando muito pela boca e rosto, saí em busca de ajuda.”

“O que mais me dói não é o que passou comigo, mas é saber que essa é a realidade de milhares de jovens brasileiros, que dependem desses profissionais despreparados e desequilibrados. Precisamos de segurança, de respeito, e, principalmente, de mais amor no coração.”, concluiu.

View this post on Instagram

E assim foi o final do meu bloco neste último sábado. Fui na companhia de alguns amigos no bloco Largadinho, na Barra Funda. Estava muito feliz pois sou fã da Claudia Leitte e tudo estava muito leve e descontraído. Quase no final do circuito, uma chuva muito forte começou, obrigando o público a procurar por abrigo. Tentei com um amigo me abrigar embaixo de uma marquise na Avenida Marques de São Vicente, onde um grupo de policiais militares se protegiam e fomos impedidos, um dos policiais informou que não podíamos ficar ali, sem questionar saímos e andamos mais alguns metros, nos alojando embaixo de uma árvore próxima dessa marquise, onde não havia ninguém e fiquei abraçado com ele para me proteger do frio, nisso um policial começou a gritar dizendo que ali também não podíamos ficar, eu questionei porque não havia motivo aparente para não poder, fomos em seguida perseguidos por 4 a 5 PMs que nos batiam com cassetetes, chegando a me perseguir na rua, me levar a força para uma rua afastada, onde levei socos, chutes e fui desacordado por uma mata-leão. A última coisa que lembro antes de perder a consciência foi de pedir para não morrer, e segundos após acordar, me recordo de pedir pra ir embora. Fui chutado para a rua, onde, sangrando muito pela boca e rosto, saí em busca de ajuda. O que mais me dói não é o que passou comigo, mas é saber que essa é a realidade de milhares de jovens brasileiros, que dependem desses profissionais despreparados e desequilibrados. Precisamos de segurança, de respeito, e, principalmente, de mais amor no coração. Tá difícil…

A post shared by Guigo Kieras (@guigokieras) on