Mais da metade dos LGBTs afirmam ter sofrido violência desde as eleições, lésbicas estão entre os grupos mais vulneráveis

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Foi engendrada uma pesquisa abarcando o período eleitoral e pós-eleitoral. Contudo, verificou-se que, mais da metade dos entrevistados, que compreende 51%, afirmaram ter sofrido algum tipo de violência neste período. Foram contemplados 92,5%  de Gays, lésbicas, Bissexuais e transgêneros. A pesquisa foi conduzida pela organização de mídia Gênero e Número e financiada pela Fundação Ford.

Segundo estipulado pela Folha de SP, “O objetivo da pesquisa era entender como o discurso de ódio, disseminado a partir das eleições, foi percebido pelas pessoas LGBT, e se havia ocorrido uma escalada na violência contra essa população a partir de sua percepção”, explica Giulliana Bianconi, diretora da Gênero e Número.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja mais: Atriz e roteirista trans conta sua história em filme brasileiro; assista ao trailer

Segundo ela, a violência decorre do próprio engajamento político de LGBTs nas eleições. Desde postagens difundidas, até candidatos que representam esta minoria. “Este ambiente precisava receber o aporte de dados para qualificar seu debate”, diz ela.

O que aponta a pesquisa?

A pesquisa aborda os tipos de agressões que acometem LGBTs: Físicas, verbais, constrangimentos, exposição à situações vexatórias.  A pesquisa da Gênero e Número apontou que, entre as pessoas LGBT entrevistadas que foram alvo de agressões, 94% foram vítimas de violência verbal e 13%, de violência física.

É oportuno ressaltar que, toda denúncia deve vir acompanhada de uma investigação escrupulosa e minuciosa, antes da aplicação da sanção proporcional ao delito. Ao investigar tanto orientação sexual quanto identidade de gênero, ficou evidente quais grupos são os mais vulneráveis: lésbicas e pessoas cuja identidade de gênero não corresponde àquela de nascimento.

Os locais apontados pelos entrevistados como cenário dessas agressões foram as ruas e os espaços públicos (83%). Também há um grande número em comércios e serviços públicos (46%), e os ambientes familiares (38,5%).

Muitos são rechaçados pela própria família e sofrem agressões variadas. Pode ser leve, grave ou gravíssima, todas previstas no código penal.

 

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio