Freud
FREUD (Foto: reprodução)

Freud é o nome mais conhecido no campo da psicanálise e psicologia. Até Lacan, outro gênio da mente humana, confessou ser Freudiano. São muitas as teorias e polêmicas difundidas por esta figura genial e intrigante. A própria vida afetiva de Freud já era motivo de controvérsia.

Uma de suas frases ilustra o que será exposto: “As emoções não expressas nunca morrem. Elas são enterradas vivas e saem da piores formas mais tarde.” Aqui, fica bem nítido o que pode acontecer com uma pessoa reprimida. Algumas pessoas tentam patologizar LGBTs, por conta de uma percepção individual e intrínseca. Os pecados; a origem dos pecados; o pecado e a sexualidade, sempre foram objetos de estudo do homem. E esta curiosidade aguçada acerca deste tema permanece na contemporaneidade.

Veja também: Biógrafo acredita que Leonardo da Vinci era Gay


António Botto: Homossexual e amigo de Fernando Pessoa. Dois dias para celebrar António Botto e Fernando Pessoa

Freud, em sua teoria das pulsões, já havia discorrido sobre nossa propensão à bissexualidade.  Freud defendia que um Bebê era “Perverso Polimorfo”: Isto Significa que, potencialmente toda criança razoavelmente saudável, seria capaz de experienciar o prazer de múltiplas formas, em múltiplas zonas do corpo e com múltiplos objetos. Isto pode ser remetido à bissexualidade psíquica constitucional de todos os seres humanos.

Em outras palavras, mesmo aqueles que se afirmam “Normais por serem Héteros” trazem submersa e latente, uma predisposição à bissexualidade. Negar esta realidade e coibir o próximo, seria negar a individualidade e pulsão sexual do outro e, no âmbito do Direito Constitucional, suprimir a dignidade humana. Isto vai de contramão ao princípio da alteridade.